Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



1.305 -- Foto do dia 1 - JUNHO - 2017

por paphotografy, em 01.06.17

1305.JPG

1305-2.JPG

1305-3.jpg

1305-4.JPG

1305-5.JPG

1305-6.jpg

1305-7.JPG

1305-8.JPG

1305-9.JPG

1305-10.jpg

1305-11.JPG

1305-12.jpg 

Ela é, para mim, a imagem que se tem de ser criança.

Ela caminha subindo e descendo por tudo quanto for murinho,

monte de terra ou pedras, que encontre no seu trajecto; pisando nas

1305-13.JPG 

poças de água que a chuva ou a rega do jardim deixem no pavimento:

parando a olhar tudo o que mexe, tem cor, faz ruído, brilha...

1305-14.jpg 

Tudo a detém e de tudo se solta.

Brinca com terra, pedras, ervas, caixas vazias.

Pára a ver os cães, as outras crianças, bisbilhuta o chão como

se tivesse perdido as jóias da coroa e investiga o céu, como se dele

esperasse resposta para todas as interrogações e

sonhos de quem tem a vida como promessa.

Ela é deliciosa. É criança.

1305-15.jpg 

É franzina, tem cabelinho curto, já usa óculos, tem joelhos

daqueles onde sempre se espera ver uma esfoladela.

Tem uma mala de livros – que deve ter livros – mas também

deverá guardar, berlindes, papeis de rebuçados, batons da

mãe e mais tudo que calha a uma criança cobiçar, ou seja,

os pequenos nadas a que se pode atar uma ponta de fantasia.

1305-16.JPG 

Nas horas de recreio, ela passeia sozinha na praceta.

Sozinha – na aparência – porque, quando ela sobe ao muro bem

largo com dois palmos de altura e nele caminha de braços

abertos concentrada no equilíbrio, como um funâmbulo, mudando

os pés como se fosse mortal o perigo da queda – aí – eu

também vejo o circo cheio e ouço as palmas que ela escuta quando

salta ligeira para o chão e olha em redor como que a agradecer à assistência

1305-17.JPG 

Quando ela fala, fala com a boneca e depois lhe segura na mão –

eu sei que já a convenceu a ir pelo próprio pé, porque a

vejo rojar o chão ao compasso do andar miudinho

da Mãe cuidadosa que ela, então, se sente.

1305-18.jpg 

Aquela menina, nada embonecada, sem laços, sem folhos,

nem enfeites inibidores – vestida com bom gosto e conforto –

que se mexe à vontade na roupa que usa e suja, descontraída

e feliz no seu trabalho de brincar – saiu outro dia de casa

com um rolo de higiénico e um ar de ventura deslumbrada.

1305-19.jpg 

O que seria? – Não entendi

“Para fazer flores” – informou ela.

Mais tarde, recebi um ramo de ervas viçosas e frescas

(que pus numa jarra) atadas com um grande laço de fartas pontas.

Tonta, fora eu, que não entendi que naquelas mãos

pequenas de Pipi das meias altas, tudo se transforma em milagre de verdade.

“São rosas, meu Senhor”

Dissera a Rainha Santa – por ser santa.

“São flores”

.

Disse a menina porque vive o estado de graça de ser

 Criança.

 

Maria José Rijo

Á Lá Minute

Jornal Linhas de Elvas

Nº 2.030 – 16 de Fevereiro - 1990

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:00



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog




Quem me olha?

Flag Counter -- --
web counter free
---